Açúcar: No rastro do dólar

Açúcar: No rastro do dólar

Pelo segundo pregão consecutivo, a alta do dólar derrubou o açúcar demerara na bolsa de Nova York.

Ontem, os lotes do adoçante com vencimento em julho recuaram 2 pontos, encerrando o pregão a 12,36 centavos de dólar a libra-peso.

O fortalecimento da moeda dos Estados Unidos estimula as vendas dos produtores do Brasil, maior exportador global da commodity.

Afora o câmbio, a maior produção indiana de açúcar também vem atuando como um fator de pressão sobre as cotações.

Na quarta-feira, a Associação Indiana de Usinas de Açúcar informou que a produção do país está 6,9% maior na safra 2018/19.

Os indianos são os maiores produtores mundiais de açúcar. Em São Paulo, o indicador Cepea/Esalq para o açúcar cristal ficou ontem em R$ 67,33 por saca, uma valorização de quase 0,8%.

 

Valor Econômico