Adubo e calcário na soqueira melhoram desempenho do canavial
02-12-2019

Aplicação de fertilizantes é facilitada por equipamentos eficientes, que cortam a palha e colocam insumo – Nitrogênio, Fósforo, Potássio – em uma determinada profundidade

As respostas positivas dos canaviais, principalmente em relação à elevação da produtividade e ao aumento da longevidade, são responsáveis pelo interesse cada vez maior de usinas e produtores pela adubação da soqueira e pela aplicação de calcário tanto no sulco de plantio como na soqueira.

Tecnologias modernas para aplicação de adubo e calcário estão inclusive facilitando a atividade de gestores e operadores da área agrícola, porque reduzem custo e melhoram a eficiência da operação. Com a utilização de adubadores de disco, que cortam a palha e colocam o fertilizante em uma determinada profundidade junto às linhas da cana, há uma redução significativa do desperdício na utilização de insumos nas lavouras de cana-de-açúcar.

“Na adubação de soqueira, o desafio sempre foi aplicar o fertilizante na dosagem indicada e no lugar certo”, afirma o engenheiro agrônomo Auro Pardinho, gerente de marketing da DMB Máquinas e Implementos Agrícolas.  A otimização do uso de fertilizantes exige também a utilização de equipamentos de qualidade, não defasados, que apresentam performance eficiente.

Um dos grandes benefícios proporcionados pela utilização de adubadores de disco é o uso, de maneira otimizada, de fonte nitrogenada que tenha a ureia como base. A perda deste tipo de nitrogênio por volatização, caso seja lançado sobre a palha, é considerado um dos maiores problemas da adubação em canaviais onde ocorre o corte mecanizado de cana crua.

A aplicação de nitrogênio por cima da palha requer obrigatoriamente o uso de nitrato como fonte deste adubo, porque não apresenta problema de perdas por volatilização. Este produto, no entanto, é mais difícil de ser encontrado no mercado e apresenta preço mais elevado em comparação à ureia, que precisa ser enterrada no solo para ser bem absorvida e aproveitada pela planta.

Os implementos de disco que enterram adubo viabilizam a utilização da ureia em áreas de cana com a presença de palha. O mercado disponibiliza soluções para que a operação de adubação da soqueira, independentemente do fertilizante utilizado – Nitrogênio, Fósforo, Potássio –, seja realizada com elevada eficiência.

Na soqueira, ocorre geralmente a utilização da fórmula NK (Nitrogênio e Potássio). O Fósforo (P) dificilmente é aplicado na soqueira, a não ser que seja uma quantidade pequena para a complementação do que foi aplicado durante o plantio – diz Auro Pardinho. Em alguns casos, a opção torna-se então o uso da fórmula NPK. 

Os grandes destaques, nesta linha de implementos para cana-de-açúcar, são os adubadores de disco 1250 H e o 2300 A – fabricados pela DMB –, que cortam a palha e colocam o adubo junto às linhas da cana.

O adubador 1250 H distribui o fertilizante em duas linhas. Este implemento tem ainda a versão para adubação em profundidade das soqueiras da cana-de-açúcar em áreas com espaçamento combinado de 0,90 x 1,50 m. O 2300 A faz a aplicação do adubo em três linhas simultaneamente e possui uma maior capacidade de adubação, sendo indicado – informa o gerente de marketing da DMB – para áreas maiores. O depósito desse adubador tem capacidade para 2300 litros de adubo.

Diversas soluções – Outra opção para enterrar o adubo nas soqueiras de cana-de-açúcar é o Distribuidor de Adubo e Calcário – também fabricado pela DMB –, que é dotado de tecnologia para aplicação de fertilizantes sob a palha, em profundidade, exatamente onde cresce o sistema radicular da planta.  

Com caixas separadas para os dois insumos (adubo e calcário), este implemento conta com tecnologia inovadora para aplicação de calcário em superfície, com total fluidez e de maneira homogênea. Nos sistemas convencionais de aplicação, o calcário costuma aderir às paredes dos equipamentos, formando túneis que dificultam a saída do produto – observa Auro Pardinho.  

A tecnologia, desenvolvida pela Engenharia da DMB, viabiliza a aplicação do calcário na linha de cana de maneira regular e constante, sem falhas. O mesmo processo é utilizado na distribuidora de calcário da Plantadora de Cana Picada PCP 6000 Automatizada, da DMB, que possibilita o uso desse produto na mesma operação de aplicação do adubo.

O sistema de distribuição do equipamento da DMB favorece o emprego de calcário de alta reatividade, que é o mais recomendado, porque precisa de pouca chuva – em torno de 200 mm – para ser solubilizado, enquanto  o convencional requer um volume entre 2000 a 3000 mm de chuva, compara Auro Pardinho. O de alta reatividade possui também maior quantidade de cálcio e magnésio e Poder Relativo de Neutralização Total (PRNT) mais elevado em relação ao calcário comum.

“O uso de calcário em cana tem aumentado tanto na soqueira como no sulco de plantio devido aos resultados bastante positivos”, constata Auro Pardinho. A finalidade da aplicação do calcário na soqueira de cana é mais voltada à nutrição com cálcio e magnésio do que à correção do solo, criando condições também para a melhor absorção de fósforo pela planta.

Além de possibilitar a utilização de calcário em superficie e do fertilizante em profundidade, o distribuidor desses dois insumos da DMB  oferece a opção de aplicação do adubo em superfície, o que pode não ser a melhor alternativa em diversos casos devido à perda de parte de nutrientes.

A DMB possui ainda outras soluções para a adubação em superfície, sem incorporação, para soqueira de cana-de-açúcar, como o Adubador com Distribuição Superficial e a Adubadora de Superfície.

Na sua linha de adubadores, a empresa disponibiliza equipamentos que atendem diferentes necessidades de usinas e produtores. Outro exemplo é o Adubador com Distribuição em Profundidade e Superficial, que permite a aplicação do adubo nitrogenado (ureia) em profundidade e os demais superficialmente.