Comerc Energia estima economia de R$ 2,7 bilhões para seus clientes em 2018voltar

Publicado em : 14/12/2018
Comerc Energia estima economia de R$ 2,7 bilhões para seus clientes em 2018

Valor é 50% superior ao registrado no ano de 2017, quando a economia foi de R$ 1,79 bilhão

Andréia Vital

A economia na conta de energia para os clientes da Comerc Energia, maior gestora de energia do país, será de R$ 2,7 bilhões em relação ao que pagariam, caso estivessem no ambiente de contratação regulada. O montante é 50% maior do que o registrado no ano passado, quando a economia atingiu o patamar de R$ 1,79 bilhão. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (11), durante coletiva de imprensa, na sede da empresa, em São Paulo.

Com 15% de participação do mercado livre e 5% de toda a energia consumida no Brasil, somando mais de 3.000 MW médios gerenciados, a companhiaprevê fechar seu faturamento em R$ 2,4 bilhões este ano, valor 33% acima do registrado em 2017, quando faturou R$ 1,8 bilhão. A carteira de clientes da empresa mostrou crescimento, passando de 820 para 910 clientes, com mais de 1700 unidades de consumo, ou seja, 10% em relação a 2017.

O segmento de eficiência energética também apresentou bons resultados. “Nós fechamos 2018 com um total de 15 clientes e esperamos chegar a 2019 com pelo menos 40”, disse CristopherVlavianos, presidente da Comerc, explicando que para atingir essa meta, está dobrando seu investimento no setor, que neste ano foi de R$ 15 milhões.

“Acreditamos fortemente que 2019 será um ano de expansão da nossa carteira de gestão, aumento dos contratos de comercialização de energia, além de ser fundamental para nosso posicionamento como empresa referência em projetos de eficiência energética e baterias”, afirmou o presidente da companhia, comentando que em 2019, a Comerc lançará a Megawhat, empresa de inteligência em energia que possibilitará aos clientes tomar decisões baseadas em informação de análises qualificadas.

Novas vertentes

De olho no crescimento do setor elétrico, a Comerc anunciou ainda o investimento de R$ 65 milhões em 2019, sendo que 75% desse valor será dedicado às unidades de eficiência energética e projetos de armazenamento de energia. “Identificamos oportunidades importantes de desenvolvimento dos negócios da Comerc nesses dois setores e exemplo disso é o lançamento da Micropower-Comerc, que representa um passo audacioso da companhia em um segmento de negócios novo no Brasil”, avaliou Vlavianos.

A nova empresa é fruto da parceria entre a Comerc e a Micropower Energy, fundada por Marco Krapels, ex-vice-presidente da Tesla Energy - conhecida pelos seus carros elétricos – para atuar no serviço de armazenamento de energia elétrica em baterias. “Nosso objetivo é oferecer energia limpa, confiável e mais barata aos nossos clientes, atendendo a uma necessidade nacional da população brasileira. Por meio do nosso software, a bateria é recarregada em momentos em que a energia está mais barata e descarregada em horários de pico, em que os preços seriam mais caros”, explicou o CEO da Micropower.

A remuneração pelo serviço prestado será feita por meio da economia gerada pelas baterias. “Não cobramos nada para viabilizar as baterias e instalá-las nas unidades de nossos clientes. Rentabilizamos o nosso negócio ao receber um percentual do valor que o cliente deixou de gastar com energia”, explica o diretor da Comerc ESCO e da MicroPower-Comerc, Marcel Haratz.

Segundo ele, o uso das baterias também impacta o meio ambiente, já que substituem um gerador a diesel. Além disso, podem ser usadas comobackup para o cliente. “Não somente por viabilizar o consumo de energia limpa, mas também por ser muito mais rápido o seu uso. Uma bateria leva somente 9milissegundos para funcionar em caso de quedas de energia, enquanto um gerador a diesel pode demorar de 30 a 90 segundos”, explicou Haratz.

Três pilotos no Brasil

A empresa anunciou a implantação de três projetos pilotos no Brasil, dois em São Paulo e um no Nordeste, com potência total de 1 MWh, sendo que os sistemas devem entrar em operação no primeiro trimestre de 2019. “Este já é um mercado multimilionário nos Estados Unidos e estamos trazendo agora para o Brasil”, afirmou Marco Krapels, comentando que os projetos anunciados são do mercado cativo, mas a Micropower-Comerc quer expandir os negócios para o mercado livre até 2020. “O custo das bateriascaiu 50% nos últimos cinco anos e deve cair mais 50% nos próximos três anos”, disse, prevendo um mercado em potencial no país.

 


Fonte: Assessoria
  • Imprima
    esse Conteúdo
  • Envie para
    um amigo
  • Compartilhar
    o conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •