Entenda como a Raízen é única e sua ação pode disparar até 80%
14-09-2021

Raízen está se posicionado fortemente para capturar valor conforme a demanda de produtos mais limpos e renováveis aumenta, sinalizam analistas (Imagem: Reuters/Paulo Whitaker)
Raízen está se posicionado fortemente para capturar valor conforme a demanda de produtos mais limpos e renováveis aumenta, sinalizam analistas (Imagem: Reuters/Paulo Whitaker)

Raízen (RAIZ4), que se apresenta como a líder global em biocombustíveis, é um caso único no mercado acionário brasileiro, e parte dos analistas projeta que a ação tem espaço para disparar até 80% — considerando a cotação atual — alcançando o preço-alvo de R$ 12 por papel.

Por Lucas Eurico Simões

A análise mencionada acima provém do Bank of America, que iniciou a cobertura de ações da Raízen — joint venture (companhia compartilhada) entre Cosan (CSAN3) e Shell.

Especialistas do banco norte-americano destacam que a Raízen é ímpar na Bolsa de a Valores brasileira à medida que é exclusiva no setor de bioenergia e distribuição.

“O papel tem quatro avenidas principais de crescimento:  i) melhor rentabilidade da cana-de-açúcarii) preços da commodity sustentados somados ao valor estratégico; iii) maior participação de mercado e; iv) possibilidades valiosas com o etanol de 2° geração (E2G) e biogás, que podem valer R$ 33 bilhões”, comentam os analistas do banco estrangeiro.

BTG Pactual (BPAC11) também iniciou a cobertura de Raízen e, conforme relatório também obtido pelo Agro Times, após o recente IPO, o banco vê a empresa agro pronta para iniciar um novo ciclo de crescimento, com um potencial de triplicar o EBITDA (lucro antes de impostos, depreciação e amortização) em 10 anos, extraindo mais valor da cana.

“A maior parte do potencial de valorização (upsides) deriva de uma gama de projetos relacionados à produção de etanol celulósico, biogás, pellets, e outros, mostrando que a companhia está se posicionado fortemente para capturar valor conforme a demanda de produtos mais limpos e renováveis aumenta”, enfatizam os analistas Thiago Duarte, Pedro Soares e Henrique Brustolin.

IPO que movimentou R$ 6,9 bilhões é de fato mais que uma promessa, ainda que os fortes resultados que a Raízen deva entregar possam parecer fora do horizonte que os investidores podem levar em conta, e reforça que a ação é uma rara oportunidade para expor a carteira de investimentos ao business de biocombustíveis e energias renováveis.

Fonte: Money Times