“O futuro está na tecnologia de marcadores moleculares”

Durante o painel "A Cana pode Mais", no IV Encontro Cana Substantivo Feminino, Monalisa Sampaio, vice-coordenadora da pós-graduação em Produção Vegetal e Bioprocessos Associados da UFSCar, afirmou que o futuro do setor se encontra na tecnologia de marcadores moleculares, que visa a seleção genômica. "Um fácil exemplo que explica essa tecnologia é a seguinte: A atriz americana Angelina Jolie, há dois anos, retirou as mamas. Essa atitude foi realizada em função dessa tecnologia. Ocorre que ela possuía um gene que foi descoberto por essa tecnologia que afirmava que ela tinha uma probabilidade altíssima de contrair câncer de mama. Trazendo isso para cana, podemos utilizar os marcadores moleculares para avaliar as condições de uma variedade que nem foi criada ainda".

A tecnologia permite, na verdade, que você tenha uma combinação entre os pais de um cruzamento para que no futuro você realmente tenha uma variedade pronta para o mercado. "Os marcadores moleculares indicam, por exemplo, com 85% de certeza, se aquele clone será sucessível a ferrugem marrom, sem que ele seja exposto a doença".

 

Fonte: CanaOnline