O setor planta árvoresvoltar

Publicado em : 26/10/2017
O setor planta árvores
Usinas investem em corredores ecológicos para as áreas florestadas, uma das estratégias mais promissoras e eficazes de conservação e preservação de flora e fauna. Foto: Divulgação Siamig

Segmento ampliou ações para preservação do meio ambiente e recuperação de áreas de preservação permanente

Leonardo Ruiz

O plantio de árvores passou a fazer parte da gestão do sucroenergético. A proteção e recuperação de grandes extensões de terra – em sua maioria Áreas de Preservação Permanente (APPs) –tornou-se uma preocupação comum no segmento, que preza cada vez mais pela conservação e ampliação das matas ciliares, que contribuem para a preservação dos solos e recursos naturais. Esses esforços são imprescindíveis para a conservação dos recursos hídricos, uma vez que a proteção do solo exercida pela cobertura vegetal ao longo das margens dos corpos d'água impede a erosão e o consequente processo de assoreamento.

Além disso, serve como uma espécie de barramento de resíduos, contribuindo para evitar a poluição das águas e manter a sua qualidade e quantidade. Favorece também a preservação de corredores ecológicos, que facilitam o fluxo de flora e da fauna entre áreas verdes situadas no perímetro urbano ou nas suas proximidades. As matas ciliares proporcionam a infiltração e a drenagem pluvial, contribuindo para a recarga dos aquíferos e diminuindo a ação das águas na dinâmica natural, evitando enxurradas, inundações e enchentes.

Áreas reflorestadas por usinas de cana-de-açúcar crescem em SP e MG

Um estudo conduzido pelo Instituto Florestal estimou um déficit de cobertura florestal de mata ciliar de 1.000.000 hectares no Estado de São Paulo. Deste total, aproximadamente 30% estava em áreas rurais administradas por usinas e fornecedores de cana. Devido ao claro papel que o setor podia desempenhar na recuperação dessas áreas, o governo do Estado de São Paulo, representado pelas Secretarias do Meio Ambiente (SMA) e da Agricultura e Abastecimento (SAA), assinou com o setor sucroenergético, representado pela União da Indústria da Cana de Açúcar (UNICA) e pela Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil (ORPLANA), um protocolo de boas práticas agroambientais. Entre as diretivas, destacava-se a recuperação de matas em nascentes e a proteção das áreas de preservação de outros cursos d’água.

Veja matéria completa na editoria Sustentabilidade, na edição 47 da revista Digital CanaOnline. No site www.canaonline.com.br você pode visualizar as edições da revista ou baixar grátis o pdf.
Mas se quiser ver a edição com muito mais interatividade ou tê-la à disposição no celular, baixe GRÁTIS o aplicativo CanaOnline para tablets e smartphones - Android ou IOS.

 


Fonte: CanaOnline
  • Imprima
    esse Conteúdo
  • Envie para
    um amigo
  • Compartilhar
    o conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •