Sistema praticado pela Oricana, de colocar a cana na esteira da usina, pode ser adotado por outras associaçõesvoltar

Publicado em : 13/12/2018
Sistema praticado pela Oricana, de colocar a cana na esteira da usina, pode ser adotado por outras associações
Roberto Cestari; “cana com mais qualidade precisa ser melhor remunerada”

A Associação dos Fornecedores de Cana da Região de Orindiúva realiza todo o processo agrícola da produção de cana

Planejar o manejo varietal, preparar o solo, plantar, realizar tratos culturais, colher e transportar a cana até a esteira da usina, enfim, ser responsável por todo o processo agrícola da produção de cana, é o que faz a Associação dos Fornecedores de Cana da Região de Orindiúva, também conhecida como Oricana, com sede no município de mesmo nome, localizado no extremo norte do Estado de São Paulo.

“A Oricana já nasceu dessa forma, com o foco de trazer o produtor para dentro da associação, onde, com nossa equipe técnica,é realizado o planejamento de produção, que é feito desde a escolha das variedades mais adequadas, o preparo de solo correto, o plantio da cana, os tratos, até a melhor época de colheita”, explica Roberto Cestari, presidente da Oricana.

A Associação conta com 110 produtores que fornecem em torno de 1,5 milhão de toneladas de cana e segundo Cestari, esse modelo moderno de gestão, em que realiza todas as etapas de produção, até mesmo o corte, carregamento e transporte, coloca 100% da cana na esteira da usina. A colheita é realizada por cinco associados que têm máquinas e os demais acessórios para realizar a colheita. “Somos produtores independentes”, salienta Cestari.Dentre as unidades sucroenergéticas que recebem cana dos associados da Oricana estão Usinas da Bunge e da Tereos.

“O produtor é quem melhor sabe cuidar do canavial, quando ele tem condições para isso, consegue maior produtividade, maior longevidade do canavial e entregar a matéria-prima com melhor qualidade. Para desenvolvermos esse tipo de gestão é fundamental contar com o apoio das usinas, elas sabem que a cana mais barata é a do fornecedor, por isso, precisam ser parceiras.Mas essa matéria-prima diferenciada, deve ser premiada, é necessário que haja um reconhecimento em favor do produtor. Esse é um dos pontos que defendemos no Consecana(Sistema que define a remuneração do produtor de cana),a maior remuneração dessa cana do produtor que apresenta melhor qualidade”, destaca Cestari.

A Oricana é uma das 32 associadas da Orplana – Organização dos Produtores de Cana da Região Centro-Sul do Brasil. E uma das mais novas, foi criada em 2000, esse pouco tempo de vida facilita a adoção de uma gestão mais alinhada com as novas tendências do setor sucroenergético, entre elas, está a necedade de produzir mais e melhor.

De acordo com Cestari, o sistema praticado pela Oricana pode ser replicado por outras associações, inclusive, algumas já estão com processo bem adiantado. Outras, porém, precisarão quebrar paradigmas, realizar uma mudança radical parase adequarem a esse método. “Mas isso depende muito das pessoas”, observa o Presidente da Oricana.

Veja grátis mais informações na CanaOnline, a maior plataforma digital de notíciasdo setor sucroenergético. Entre no site www.canaonline.com.br, siga-nos no Facebook, Instagram, Linkedin, Twitter, GPlus. Baixe grátis o APP da CanaOnline e carregue as edições no celular.


Fonte: CanaOnline
  • Imprima
    esse Conteúdo
  • Envie para
    um amigo
  • Compartilhar
    o conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •