Soja e amendoim não precisam competir por áreas de renovação de cana
16-01-2019

Soja e amendoim não precisam competir por áreas de renovação de cana
Soja e amendoim não precisam competir por áreas de renovação de cana

O pesquisador Denizart Bolonhezi explica que há espaço no setor canavieiro tanto para o amendoim quanto para a soja

Por muito tempo, o amendoim foi a escolha de muitos agricultores para ser rotacionado com a cana nas áreas de reforma. No entanto, nos últimos anos, uma crescente parcela vem optando pela soja, que tem ganhado força no cenário nacional e passa a disputar acirradamente com o amendoim a preferência dos canavicultores brasileiros.

Os motivos são vários. O pesquisador da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Denizart Bolonhezi, enumera alguns deles: (1) No cultivo direto da soja é possível diminuir o tempo de espera até o novo plantio da cana. Com o amendoim, são necessários quase cinco meses do plantio à colheita. Já na soja, o tempo é de pouco mais de três meses; (2) Ampla possibilidade de venda do produto. O agricultor não fica atrelado a apenas um comprador; (3) Por ser uma commodity, quem regula seu preço é o mercado internacional, o que abre um leque de possibilidades de negociações para o produtor que pode, por exemplo, vender no mercado futuro; (4) Proximidade do porto, que reduz o frete e aumenta a remuneração;

Entretanto, Bolonhezi explica que há espaço para ambas as culturas, ressaltando que cada uma delas possui prós e contras que devem ser levados em conta pelo produtor. “O amendoim dá mais retorno, mesmo nos períodos em que a soja está com preços altos. Porém, ele é muito específico em relação ao maquinário utilizado. Em termos de benefício para o solo, as duas culturas são semelhantes. O amendoim, por ser uma planta vigorosa, acaba produzindo mais por hectare e, consequentemente, fixa uma quantidade maior de nitrogênio. Por outro lado, ele é bastante exigente, e exporta mais fósforo do que a soja.”

O pesquisador informa que o tipo de solo da propriedade também deve pesar na hora de escolher com qual cultura rotacionar a cana. “Em regiões de solos mais fracos, arenosos e suscetíveis a erosão, o produtor deve escolher uma cultivar de soja muito rústica ou não optar pela cultura, pois a tendência de frustação será grande. Neste caso, o amendoim seria a melhor opção. Já nas áreas de solos mais férteis e argilosos, como na região de Ribeirão Preto, a soja é mais interessante, pois provavelmente atingirá tetos produtivos mais altos.”

Fique bem informado acompanhando as mídias da CanaOnline, a maior plataforma digital de notícias do setor sucroenergético. Informações gratuitas e com credibilidade.

Fonte: CanaOnline