Sorgo africano pode ser avanço para biocombustíveis

Sorgo africano pode ser avanço para biocombustíveis

“Uma vez que tenhamos os híbridos e a agronomia disponíveis, isso significa que as pessoas podem iniciar fábricas produzindo bioplásticos e biocombustíveis"

Por: AGROLINK - Leonardo Gottems

Uma pesquisa realizada pelo Centro Africano de Melhoramento de Cultivos na criação de sorgo pode ter implicações de longo alcance para as indústrias de biocombustíveis e bioplásticos na África do Sul. De acordo com o professor Mark Laing, os pesquisadores têm trabalhado no desenvolvimento de variedades de sorgo e beterraba sacarina.

"Uma grande empresa de plásticos não conseguia o suficiente de etileno para fazer as quantidades de polietileno em ordem, então eles queriam começar sua própria usina de açúcar para polietileno e me abordaram sobre culturas de açúcar adequadas para o interior da África do Sul", comenta.

Com financiamento da Agência de Inovação Tecnológica (TIA), que tem sede no Departamento de Ciência e Tecnologia da África do Sul (DST), Laing tem trabalhado em como produzir matéria-prima durante todo o ano em escala industrial, interligando o sorgo e a beterraba. Seu interesse no projeto começou há cerca de 15 anos, quando o preço do petróleo subiu para US $ 150 o barril.

Laing diz que o sorgo sacarino, que é naturalmente rico em açúcar, é tolerante à seca e produz 100 toneladas por hectare a 13-18% de açúcar em seis meses, comparado com a cana. “O mundo dos bioplásticos e biocombustíveis vai acontecer, mas na África no momento não pode decolar porque não tem culturas para alimentá-lo”, diz Laing, explicando sua motivação para a realização deste projeto.

“Uma vez que tenhamos os híbridos e a agronomia disponíveis, isso significa que as pessoas podem iniciar fábricas produzindo bioplásticos e biocombustíveis. Essa tem sido a minha visão e o sorgo e a beterraba sacarina são as melhores culturas para isso. Podemos obter 31 toneladas de açúcar por hectare por ano se plantarmos essas duas culturas por seis meses cada uma”, conclui.

Fonte: Agrolink