Vencendo preconceitos

Vencendo preconceitos
Patrícia é presença constante como debatedora no Encontro Cana Substantivo Feminino

A superação de desafios e a quebra de paradigmas fazem parte da trajetória de Patrícia Fontoura, Gerente de Planejamento e Desenvolvimento Agrícola na CofcoAgri. Além do seu empenho para romper barreiras e ampliar a adesão às campanhas em prol do Hospital de Câncer de Barretos, ela tem ajudado a remover obstáculos – sinônimos de preconceitos, em diversos casos – que impedem a ascensão de mulheres a cargos de gestão em áreas técnicas de usinas e destilarias voltadas à produção agroindustrial.

Afinal, quantas mulheres são gerentes da área agrícola de unidades sucroenergéticas? As respostas podem não ser precisas e revelar que há um espaço a ser ocupado: “Tinha uma agrônoma na gerência em uma determinada usina; outra não está mais no setor...” – arriscam alguns interlocutores. Mas, quantas são?


Com certeza, essa contagem não para no número zero. Patrícia Fontoura é gerente agrícola corporativa do Grupo Cofco há dois anos, cuidando do planejamento e desenvolvimento técnico. O Grupo possui quatro usinas, localizadas nos municípios de Catanduva, Meridiano, Potirendaba e Sebastianópolis do Sul, no estado de São Paulo. Antes disso, ela foi gerente agrícola, além de gestora de Planejamento e Pesquisa & Desenvolvimento, da Usina Jalles Machado, de Goianésia, GO, onde trabalhou por dez anos.

“Aos poucos, vamos mostrando que é possível quebrar esse paradigma”, diz Patrícia ao comentar a presença da mulher em cargos de gerência. No caso dela, há muito apoio do Grupo Cofco – afirma. “A empresa que eu trabalho tem uma visão muito boa. O nosso presidente é muito aberto a contratação de mulheres”, enfatiza.

A ajuda de outros profissionais também tem sido importante para a trajetória de sucesso de Patrícia Fontoura. “Comecei em outras funções e fui conquistando espaços até a gerência com o auxílio de diversas pessoas e toda equipe da área agrícola”, reconhece.

A formação acadêmica sólida e o conhecimento dos processos de produção da cana são outros aliados importantes da trajetória profissional de Patrícia Fontoura. Graduada em Agronomia pela Universidade Federal de Goiás, ela possui MBA em Gerenciamento de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas.

De maneira geral, a presença da mulher em cargos de gerência e diretoria ainda é pequena. Os números mostram que os discursos são diferentes em relação à prática – avalia. “Existe ainda um longo caminho a ser percorrido. O setor sucroenergético é mais tradicional. Mesmo em relação às técnicas utilizadas, as mudanças são lentas. No setor de soja, o emprego de novas tecnologias é mais rápido”, exemplifica.

De acordo com ela, o preconceito ainda existe. “Mas, temos que batalhar em vez de ficar lamentando. Quem está no mercado de trabalho deve atuar também para quebrar esse paradigma. Cabe a nós darmos oportunidades a outras mulheres. É nossa função também”, diz.

A gerente agrícola tem esperança na ampliação da presença feminina em diversas áreas de unidades sucroenergéticas “Há também uma quantidade maior de mulher estudando, se preparando melhor nas universidades”, constata.
Em relação a situações anteriores, é possível ver uma luz – avalia. Segundo ela, em outras funções, como a de controle de qualidade, recursos humanos, e, até mesmo no campo, na operação de máquinas, está aumentando a presença de mulheres. Tem crescido lentamente. Mas, tem”, observa.

O debate sobre a participação da mulher ajuda a desvendar caminhos para a ampliação do espaço no mercado de trabalho. O Encontro Cana Substantivo Feminino – que é uma realização da CanaOnline – desempenha papel importante na discussão de questões que envolvem a presença da mulher no setor sucroenergético, destaca. “Temos a oportunidade de conhecer outras profissionais que trabalham em usinas. E isto nos dá uma força maior”, diz ela, que tem participado da maioria das edições do evento.
No VII Encontro Cana Substantivo Feminino, que vai acontecer em março de 2018, Patrícia Fontoura será uma das participantes do painel Inovação é com as Mulheres. “A ideia é abordar o que existe de novo na área agrícola”, afirma.

Veja matéria completa na editoria Cana Substantivo Feminino na edição 48 da revista Digital CanaOnline. No site www.canaonline.com.br você pode visualizar as edições da revista ou baixar grátis o pdf.
Mas se quiser ver a edição com muito mais interatividade ou tê-la à disposição no celular, baixe GRÁTIS o aplicativo CanaOnline para tablets e smartphones - Android ou IOS.

 

Fonte: CanaOnline

  • Envie para
    um amigo
  • Compartilhar
    o conteúdo
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  • CAPTCHA Image
    Refresh Image